Chile: Santiago e seus arredores - Neve - Esportes de neve - Turismo de neve

Chile: Santiago e seus arredores

CHILE MÚLTIPLO

Por sua geografia privilegiada, o Chile é um dos destinos mais procurados por quem deseja fazer turismo na América do Sul. A capital Santiago é desenvolvida, segura e hospitaleira. Sem dizer que está a poucos quilômetros das famosas estações de esqui. Conheça esse destino de múltiplos encantos!

Você pode desembarcar em Santiago pela manhã e, antes do meio-dia, estar na montanha. Que outra grande capital proporciona isso?”, indaga Dominique Rudloff, gerente comercial e de marketing do Valle Nevado Ski Resort. Esse privilégio envaidece Dominique e os chilenos de forma geral. Antes mesmo de pousar em terra firme, Santiago já oferece um show! A janela do avião emoldura o espetáculo da cordilheira dos Andes. Somadas a isso, a tradicional gastronomia e a forte cultura vitivinícola atraem uma multidão de turistas. “Poucas cidades têm, além de segurança, a vantagem de estar próxima à cordilheira e à costa”, afirma a executiva.

Khyim/iStock

FRUTOS DO MAR E VINHO

A capital reserva surpresas aos que procuram experiências gastronômicas. E poucos locais são tão emblemáticos quanto o Mercado Central. Inaugurado em 1872, foi eleito pela revista National Geographic o quinto melhor mercado do mundo. Lá, é possível degustar pratos como o pirocoro, uma espécie de crustáceo; o choro, um tipo de mexilhão; e o ouriço-do-mar. “Minha recomendação é experimentar a sopa de mariscos”, sugere Dominique, que além do mercado elenca quatro restaurantes imperdíveis: Ambrosía, Peumayen Ancestral Food, Castillo Florestal e Aquí Está Coco. Quem visitá-los será surpreendido por suas excelentes cartas de vinho. A vitivinicultura é uma tradição chilena explicada pela geografia. O território é delimitado por quatro fronteiras: ao norte, o deserto do Atacama; ao sul, as geleiras da Patagônia; a oeste, o Oceano Pacífico; e a leste, a cordilheira dos Andes. As barreiras são responsáveis por proteger os vinhedos contra pragas, e a variação térmica permite o cultivo de diversas espécies de uvas. “Existem vinícolas maravilhosas próximas de Santiago, mas mencionaria três em especial: Odfjell Vineyards, Matetic e Indomita”, destaca Dominique.

iStock

 

Mandy2110/iStock

 

DC Colombia/iStock

 

Tifonimages/iStock

HISTÓRIA E CULTURA

Visitar a casa onde viveu um artista, um escritor, uma figura pública é sempre uma experiência única. Um dos passeios obrigatórios em Santiago são as casas do poeta Pablo Neruda, prêmio Nobel de Literatura em 1971. É possível adquirir pacotes fechados que incluem as residências La Chascona, em Santiago; La Sebastiana, em Valparaíso; e Isla Negra, em El Quisco. A primeira e mais visitada foi comprada em 1951 e lá viveu Matilde Urrutia, seu grande amor. “Aqui estão o pão, o vinho, a mesa, a casa, tudo o que é necessário ao homem, à mulher, à vida”, escreveu na obra Cem sonetos de amor, em referência a La Chascona. Outro passeio imperdível é o Museo de la Memoria y los Derechos Humanos, inaugurado em 2010 em homenagem às vítimas do regime militar, que vigorou de 1973 a 1990. O Museo Chileno de Arte Precolombino também é destaque, considerado o melhor museu da cidade e um dos melhores do continente sul-americano. Em seu prédio estão abrigadas mais de duas mil peças indígenas. Por fim, vale incluir no roteiro o Palácio de La Moneda, sede da Presidência da República, a Catedral Metropolitana e a Plaza de Armas, todos no centro histórico de Santiago.

ESTAÇÕES DE ESQUI

Se conhecer Santiago por meio da gastronomia, cultura e história é inesquecível, adicionar momentos de aventura é transformar o roteiro na viagem dos sonhos. Por isso, na alta temporada muitos brasileiros rumam à cordilheira a fim de curtir esportes de neve. “Farellones, El Colorado, La Parva e Valle Nevado são as quatro estações de esqui, situadas a poucos quilômetros da capital. À exceção de Farellones, é possível esquiar entre elas, pois estão interligadas por teleféricos. O ideal é desfrutar vários dias nos centros e, antes de retornar para o Brasil, reservar um tempo para dar uma volta em Santiago”, recomenda Dominique. Pela proximidade, pode-se fazer um bate-e-volta às estações, mas a recomendação é que o turista fique hospedado em uma delas. A estrada é regular e bem sinalizada, mas há pelo menos 40 curvas fechadas, que podem se tornar mais complicadas em razão da altitude. Um pouco mais distante desses centros está Portillo, a duas horas de carro da capital chilena. Também vale a visita!

Valle Nevado/Divulgação

VIZINHAS DA NEVE

Se conhecer Santiago por meio da gastronomia, cultura e história é inesquecível, adicionar momentos de aventura é transformar o roteiro na viagem dos sonhos.
Considerado a melhor infraestrutura para esportes de neve no Chile, Valle Nevado se tornou point de brasileiros.

As estações mais próximas de Santiago são Farellones, El Colorado e La Parva. É possível conhecer as três de uma tacada só. Por isso são as preferidas dos chilenos que buscam distância dos agitos turísticos de Valle Nevado e Portillo. Saindo da capital, basta percorrer 36 km para chegar a Farellones, um simpático e bucólico vilarejo, com prédios baixos, casas de madeira e cafés acolhedores. Jogos aéreos, tubing, circuitos de tirolesa e pontes de corda são as atrações lúdicas do lugar. A apenas 1 km está El Colorado, que oferece mais opções de pousadas, cabanas, condomínios e apart-hotéis. O centro conta com boa variedade de restaurantes e lojas para aluguel de equipamentos, além de pistas para todos os níveis de dificuldade e escolas de esqui e snowboard. Pouco menos de 3 km separam El Colorado de La Parva, outra opção bucólica para quem procura calmaria na montanha. É conhecida por apresentar boa variedade de pistas para esquiadores e snowboarders intermediários e experientes.

VALLE NEVADO

Fundado em 1988 com o propósito de ser um cruzeiro marítimo na neve, Valle Nevado é o mais afamado centro de esqui do Chile. Se as estações vizinhas brindam o turista com aconchego e tranquilidade, aqui tudo é grandioso e moderno. Considerado a melhor infraestrutura para esportes de neve no país, o centro se tornou point de brasileiros. “Valle Nevado é a estação mais alta, o que lhe dá vantagem em relação às demais. Além disso, disponibiliza três hotéis para diferentes orçamentos e estilos”, justifica Dominique Rudloff. O Valle Nevado Hotel é cinco-estrelas, o Puerta del Sol é quatro, e o Tres Puntas é três-estrelas. Cada hotel possui seu próprio bar e a noite acontece por ali, com sinuca, karaokê, música ao vivo e cerveja. Os que não abrem mão de um ambiente reservado e cozinha própria podem encontrar condomínios de apartamentos a preços módicos.

Valle Nevado/Divulgação

 

Valle Nevado/Divulgação

Por ser a estação mais elevada, sua área esquiável é extensa, e há pistas para todos os níveis. Para comportar tamanha oferta, é necessário um sistema de transporte eficaz. Por isso, há 15 teleféricos, sendo o Andes Express o mais moderno e rápido da América do Sul. Aos que nunca desceram a montanha ou desejam aprimorar suas técnicas, o resort disponibiliza instrutores. “Os professores falam vários idiomas, pois trabalham conosco na alta temporada e depois rumam a outros centros, como Aspen, por exemplo”, relata Dominique. Para os snowboarders, a atração é o snowpark, que inclui border cross.
Em Valle Nevado a oferta de restaurantes não é das mais amplas, mas é suficiente para agradar a todos os gostos. Os principais são o Mirador del Plomo, no hotel Puerta del Sol; o Sur, localizado no hotel Tres Puntas; e o La Fouchette, que fica no Valle Nevado Hotel e serve comida francesa. Fora do circuito dos hotéis, há o Don Giovanni, com suas massas e carnes; o Bajo Zero, que oferece hambúrgueres, empanadas e pizzas; e o La Leñera, cujo cardápio são sopas, fondues, massas e grelhados. Agora, se a preguiça for maior, pode-se apenas abrir um vinho e relaxar na piscina do centro de esqui, que ferve durante o happy hour.

Valle Nevado/Divulgação

 

Valle Nevado/Divulgação

PORTILLO

Portillo é o mais tradicional centro de esqui do Chile, tendo sido construído no final de década de 1940. Fica a 3 km da fronteira com a Argentina, na estrada que leva a Mendoza, encravado na cordilheira dos Andes e ao pé da Laguna del Inca – um espetáculo cromático que varia do azul ao verde em diversas tonalidades. Se a ideia é fixar pouso por lá, há três hotéis: Hotel Portillo, Octógono e Inca. O primeiro é, sem dúvida, o mais procurado, marcante por sua fachada azul e amarela e reconhecido por sua incomparável gastronomia. Quem comanda a cozinha é o chef Rafael Figueroa, mestre na utilização de ingredientes locais. Como outras estações de nível internacional, Portillo tem pistas para todos os níveis, além de aulas de esqui e clube infantil. Os pós-graduados na modalidade podem curtir um heli-ski. Essa estação, sem dúvida, complementa o passeio por um país que é múltiplo de atrações e um dos mais apaixonantes do continente sul-americano. Entre as águas do Pacífico e a cordilheira dos Andes tudo é possível!

Divulgação/SkiPortillo

COMO CHEGAR

A avenida Las Condes liga Santiago ao Camino a Farellones, que dá acesso a Farellones, El Colorado e La Parva. Para Valle Nevado o trajeto é o mesmo, porém é preciso pegar uma bifurcação à direita após a curva 40. O percurso pode ser feito de transfer, táxi ou automóvel. Todas as opções partem do Aeroporto Internacional de Santiago. Quem for a Portillo deve seguir pela rodovia 57, que mais tarde se torna 60. Ela conduz à estação e também permite o trânsito de carro, transfer ou táxi.

Esse conteúdo faz parte da revista do Point da Neve – Temporada 2017/2018. Para ler o conteúdo completo é só clicar aqui

Clique aqui e confira os pacotes para o Chile!

2016 © Point da Neve Viagens e Turismo - Grupo S7 - Todos os direitos reservados - Proibida reprodução Desenvolvido por Segundo Andar