Dicas úteis - Neve - Esportes de neve - Turismo de neve

Dicas úteis +

Torres del Paine

Dicas úteis

O Parque Nacional Torres del Paine é um dos lugares mais lindos do mundo… e, por isso, visitantes vem de todo o planeta para admirar o incrível conjunto de belezas naturais que a região oferece: água sob todas as formas (lagos, vertentes, cascatas, glaciares), bosques, montanhas e torres rochosas, que você pode percorrer em trekkings de todo o tipo – desde os mais simples e fáceis até aqueles acompanhados por guias e envolvendo guias e equipamentos. Todas as atividades de ecoturismo são encontradas neste lugar mágico: mountain bike, pesca, escaladas são algumas delas, e o parque oferece todo o tipo de apoio organizado para isso. Situado ao sul do Chile, em plena Patagônia, fica na fronteira com a Argentina e assim pode ser acessado por Punta Arenas & Puerto Natales/Chile, ou por El Calafate/Argentina.

Punta Arenas

O acesso normal ao Parque Nacional Torres del Paine é via Punta Arenas, a simpática e colorida cidade do extremo sul chileno, que durante muitos anos foi o ancoradouro obrigatório de todos os navios que faziam as rotas entre os oceanos atlântico e pacífico, ligando as costas leste o oeste das Américas – ainda não existia o Canal do Panamá, e a ligação possível era contornar a Terra do Fogo, utilizando os canais fueguinos para evitar o mar extremamente tempestuoso daquela região antártica.

Punta Arenas

Punta Arenas é uma cidade de cerca de 150.000 habitantes, simpática, limpa e muito organizada. Recebe visitantes de todo o mundo em função dos passeios a Torres del Paine, e assim oferece uma grande quantidade de hotéis, hosterias, pousadas ; e restaurantes onde você pode se deliciar com as muitas coisas dos mares desta região patagônica: prepare-se para comer muito salmão, alí abundante e barato…

Museo del Recuerdo

Os espanhóis, ao conquistarem a região da Terra do Fogo, dedicaram-se (tanto do lado argentino como do lado chileno) a exterminar metodicamente a população indígena – os Onas, os Tehuelches e os Alacalufes – o que incluía prêmios aos caçadores de índios (os escalpos de crianças eram os mais valiosos).
Você poderá ver tudo isso no Museo del Recuerdo, uma das visitas mais interessantes de Punta Arenas: a visita é impressionante, e você poderá passar todo um dia por lá, sem se dar conta.

Puerto Natales

Você sai de Punta Arenas em direção a Puerto Natales, um vilarejo de 20.000 habitantes que fica a 240 km de distancia, que serão percorridos numa estrada… patagônica! Você vê e sente as enormes distancias, o céu com nuvens esfarrapadas pelo vento, e os rebanhos de guanacos e nhandus que correm soltos pela enorme planície. Na metade do caminho, começa a enxergar a imponência do Maciço Rochoso de Paine, que emerge do solo com seus 3.000 m de altitude.

Puerto Natales

Muita gente fica hospedada em Puerto Natales e faz passeios diários ao parque, que está a 150 km de distancia do vilarejo. A cidade é muito simpática e cheia de ecoturistas que falam todas as línguas, o que dá um charme extra ao local, e ali você irá encontrar muitos locais onde comprar as lembranças que gostará de trazer em seu retorno, desde as coisas ligadas ao oceano como os artigos da cultura indígena da Patagônia.

Parque Torres del Paine

Enfim, você rodou 390 km entre Punta Arenas e a entrada do Parque Torres del Paine e já está totalmente enamorado pelas belezas da região, que o cercam por todos os lados… mas a grande atração é, sem dúvida, a presença imponente do Maciço Paine, que é formado pelos conjuntos de Cuernos del Paine e seus picos que parecem ter sido torcidos, pelas Torres del Paine, que parecem dedos de granito e são a imagem mais conhecida do local, e por Paine Grande e Cerro Fortaleza, que superam os 3.000 m de altitude.

Rio Paine

A região do Rio Paine, que dá o nome a tudo, foi declarada Parque Nacional em 1959, e recebe muita atenção das autoridades chilenas: é organizado e bem cuidado, oferecendo mais de 200 km de trilhas de todo o tipo para a prática de trekkings – desde os passeios tranqüilos no meio de bosques, cascatas, planícies, até as caminhadas de alto desempenho, que atraem esportistas e escaladores de todo o planeta – as escaladas nas paredes lisas e verticais do Maciço Paine são uma das mecas mundiais deste esporte.

Patagônia

Você nota uma grande diferença entre a Patagônia Argentina e a Patagônia Chilena: os Andes fazem uma barreira natural de grande altitude, que segura os ventos úmidos do Pacífico, fazendo com que as chuvas ocorram no lado chileno, ao impedir que passem para o lado argentino. Assim, na mesma latitude, em poucas centenas de quilômetros de distancia, a paisagem é radicalmente diferente, com a aridez extrema da Patagônia Argentina e a exuberância verde da Patagônia chilena.

Parque Torres del Paine

Veja algumas das maravilhas que irão encantá-lo neste lugar tão exótico e especial:

  • Lago Nordeskjold
  • Lago del Toro
  • Lago Grey e seu incrível glaciar ( as cores da Geleira Grey ao sol são inacreditáveis )
  • Lago Pehoe, incrivelmente azul

Geleira Perito Moreno

A distancia entre Torres del Paine e a cidade de El Calafate, no lado argentino, é de cerca de 400 km, e isso faz com que muitos visitantes deste parque nacional chileno aproveitem para atravessar a fronteira para, num passeio de 1 dia, conhecerem a espetacular Geleira Perito Moreno – grande atração da Patagônia Argentina e motivo para que Calafate seja um destino turístico movimentado e cheio de hotéis e pousadas.

Torres del Paine

Para quem quer ficar hospedado no próprio parque Torres del Paine, há diversas opções conforme o nível de conforto desejado: a região oferece desde as alternativas de refúgios e albergues, muito utilizados pelos escaladores que vem em busca de aventuras extremas, passando por hotéis de 3 e 4 estrelas, e tendo como grande atração o famoso hotel Explora – um cinco estrelas que recebe visitantes de todo o mundo com muito luxo neste lugar tão distante de tudo, e que oferece programas exóticos e prá lá de interessantes aos seus hóspedes como parte integrante de suas diárias.

Santiago

Sua viagem a Torres del Paine irá começar e terminar pela capital dos chilenos, Santiago de Chile, uma cidade adorável, cheia de atrações de todo o tipo – além de hotéis e restaurantes para todos os gostos e bolsos.
Reserve bastante tempo de sua viagem para curtir Santiago: faça um citytour que irá percorrer os muitos pontos de interesse da cidade; vá a Viña del Mar e Valparaíso, duas cidades à beira do oceano pacífico que oferecem beleza e muito o que fazer; e conheça as estações de ski próximas a capital: Valle Nevado, Farellones, El Colorado e La Parva (que estão a apenas 40 km do centro), e Portillo, a 180 km da capital, já na exata divisa com a Argentina.

Água

Toda a Patagônia tem características de baixa umidade relativa do ar, e muito vento.
Assim, em todos os passeios procure levar uma garrafa de água mineral junto, as distancias são grandes, os passeios tem normalmente bastante duração e… não há porque sentir sede, verdad?

TORRES DEL PAINE NA MIDIA:

A região é visitada por gente do mundo inteiro… assim, a web está cheia de reportagens e comentários sobre a sua incrível beleza e o muito que se pode fazer por lá… entre elas, selecionamos estas duas abaixo, que nos parecem sensíveis descrições do que pode ser uma viagem a Torres del Paine.

 

Na Estrada: Parque Nacional Torres del Paine, Patagônia Chilena

Autor: Jaqueline Pedreira

Torres del Paine

Um dos parques nacionais mais austrais do mundo, Torres del Paine é aventura garantida na Patagônia Chilena

Perdida no meio do nada, em uma área que começa ao sul de Buenos Aires, corta os Andes até o Pacífico e se estende até a Terra do Fogo, a Patagônia é uma das áreas mais isoladas do planeta.

Este lugar, que é o sonho de todos os viajantes, abriga um dos parques nacionais mais selvagens da América do Sul: o Parque Nacional Torres Del Paine. Um lugar nada tradicional, feito sob medida para pessoas que desejam mais do que uma viagem de turismo.

 

Pé e olhos na estrada

Tudo começa em uma das cidades mais meridionais do mundo – Punta Arenas -, que abriga um importante porto sobre o Estreito de Magalhães e o aeroporto mais próximo do parque. Daí para frente, são cerca de 350 km de estrada até Torres del Paine.

Após a cidade de Puerto Natales, última antes da entrada principal, a estrada segue por uma bela planície. De repente, no meio de um terreno totalmente plano, surge a visão mais impressionante de todo o percurso. Nada mais do que um imenso maciço com picos de até 3.000 metros de altitude… Surgidos no meio do nada, como se tivessem saído do centro da Terra naquele exato instante.

A história conta que esta visão só foi possível quando, à milhares de anos, o degelo de uma crosta glacial com mais de 1.000 metros de espessura desvendou, este, que é considerado o maciço rochoso mais novo do nosso planeta, o maciço Paine.

 

O maciço Paine

O maciço Paine é especial, devido ao conjunto de montanhas distintas, sempre cobertas de neve, que o compõe: A primeira, Cuernos del Paine, possui picos retorcidos. A segunda e que batizou o lugar, Torres del Paine, tem a forma de três grandes dedos de granito, que emanam uma energia intrigante de magia e mistério. Por último as montanhas mais altas e ao mesmo tempo as que apresentam contornos mais “normais”, Paine Grande e Cerro Fortaleza, ambas com mais de 3.000 metros de altitude.

Inaugurado em 1959, o Parque Nacional Torres Del Paine possui 250.000 hectares de área e, com toda justiça, em 1978 foi declarado Reserva da Biosfera pela Unesco. Sob a administração da Chilean Forest Service, o parque é extremamente bem organizado e possui mais de 250 km de trilhas demarcadas.

As Torres aparecem abruptamente acima de um vale singular que abriga lagos incrivelmente azuis, rios, cachoeiras e cascatas, geleiras enormes, florestas impenetráveis e ainda espécies raras de plantas e animais.

Toda esta rica e aparentemente ilimitada diversidade, cria um ambiente ideal para observação e exploração: Torres del Paine é considerado um dos melhores lugares do mundo para trekking de alto desempenho, quer dizer, caminhadas muito pesadas. Existem vários circuitos através dos 250 km de trilhas, que chegam a quase todos os pontos mais incríveis do parque, como o lago glacial na base das Torres del Paine, a geleira e o lago Grey e o lago Pehoe, de onde pode-se chegar perto do fabuloso Cuernos del Paine.

 

Desafio para alpinistas

Com apenas 12 milhões de anos, o maciço Paine é considerado uma das mais desafiadoras cordilheiras entre as que são hoje conhecidas. Não apenas por seus mais de 2.000 metros de altitude e paredes verticais, mas principalmente pelas Onde fica Ultima Esperanza, Chile

 

Como chegar

A maneira mais fácil de chegar a Torres del Paine é pegar um vôo com cerca de 7 horas até Punta Arenas, via Santiago, e de lá embarcar em uma van ou alugar um carro para mais 5 horas de viagem até o parque. O tempo de todo o trajeto pode parecer desanimador mais vale a pena. A estrada é tão encantadora, que é impossível ficar entediado.

O ideal é que ao fazer a reserva no hotel, você já combine o translado terrestre.

A Varig (www.varig.com.br) e a TAM (www.tam.com.br) tem vôos até Santiago e a Lan Chile (www.lanchile.com) possui vôos regulares até Punta Arenas, saindo do Rio de Janeiro e São Paulo.

 

Clima

Como a temperatura na Patagônia muda drasticamente, é difícil determinar a melhor época do ano para visitar a região.

De junho a setembro é inverno e frio, porém alguns dias com temperatura amena são normais. O verão (novembro a março) é a época das ventanias. A velocidade do vento pode chegar a 110 km/h, criando um movimento fantástico das nuvens no céu azul. A probabilidade de temperaturas mais altas é maior, porém o parque fica lotado.

Na verdade, todo dia é dia para conhecer Torres del Paine.

 

Hospedagem

Acomodação não é problema em Torres del Paine. Como não há nenhuma estrutura no parque, os hotéis costumam oferecer tudo o que você precisa.

Os mais badalados são a Hosteria Pehoe (www.pehoe.cl/pehoe-en.htm), um agradável conjunto de pequenas ilhas conectadas à terra por uma ponte no Lago Pehoe; o Hoteria Las Torres (www.lastorres.com) e o melhor (e mais caro) de todos: Hotel Explora Salto Chico (www.explora.com). 5 estrelas é pouco para ele!

Perto da Central de Administração, localizada a cerca de 35 km da entrada principal, é possível encontrar acomodações bem em conta, como a Posada Rio Serrano.

Condições climáticas que, com ventos fortíssimos, dificultam e às vezes tornam impossíveis à chegada aos cumes.

Fonte: http://aventurese.ig.com.br

 

Parque Nacional Torres del Paine

Autor: Ana Isabel Mineiro

No fim dos Andes fica um paraíso de montanhas, lagos e glaciares, povoado de criaturas extraordinárias. Uma espécie de Arca de Noé, encalhada nas águas frias do extremo sul do Chile. A última fronteira, para quem procura a natureza no seu estado mais puro. Viagem ao Parque Nacional Torres del Paine, Patagonia chilena.

 

SAÍDA DE PUNTA ARENAS

Parque Nacional Torres del Paine, Chile

Há mais de uma hora que avançávamos em direcção ao Parque, e da paisagem só víamos a nuvem branca e húmida que nos envolvia. No calor do autocarro, relembrávamos os dias anteriores para esquecer o mau tempo, principal inimigo de quem procura o contacto com a natureza.

Punta Arenas tinha sido a última cidade “grande” – é capital de província – , e já anunciava este tempo incerto e cinzento. Como em todos os pontos do globo onde a meteorologia é pouco favorável, o casario tem mais cor do que a própria natureza. Há poucos prédios, e as casas multiplicam verdes, azuis, brancos e vermelhos, exorcizando a falta de cor e luz natural. Para incentivar a fixação de pessoas neste habitat tão difícil, na margem ocidental do Estreito de Magalhães, o governo chileno sempre ofereceu benefícios, promovendo o comércio e facilitando o acesso dos barcos ao porto. Até agora, Punta Arenas tem conseguido evitar os grandes problemas normais nas cidades, como o excesso de tráfego ou a falta de segurança. O ambiente ainda é muito pacato e familiar, embora já se conte com uma população de cerca de cem mil habitantes.

Não falamos de populações índias, claro, mas das posteriores e actuais. Para os Onas, Tehuelches, Alacalufes, e outras tribos que por aqui viviam, na época em que Fernão de Magalhães explorou a zona ao serviço dos reis de Espanha, a história foi muito diferente. Como a agricultura é quase impossível, os índios nativos desta área sobreviviam da recolecção, da pesca e da caça, sobretudo ao abundante guanaco, um parente do lama. Com a chegada dos colonos e dos seus imensos rebanhos, é provável que tenham achado as ovelhas mais fáceis de caçar…

A história é conhecida e, infelizmente, já se repetiu muitas vezes: com os seus próprios territórios interditos à caça, entraram em conflito com os colonos e foram dizimados sem dó nem piedade – chegaram a ser abatidos por caçadores profissionais contratados para o efeito. Como se não bastasse, com os europeus chegaram também doenças desconhecidas nesta parte do mundo, que se tornaram epidémicas e causaram milhares de baixas entre os nativos. Enfim, os primeiros habitantes da zona foram desaparecendo e dando lugar a museus e decorativos monumentos ao índio, espalhados pelo país. Em Punta Arenas, encontram-se os testemunhos desta época no Museo del Recuerdo e na Casa Braun-Menéndez, a mansão de um dos pioneiros-colonizadores.

Quanto a Magalhães, está no centro da praça, e parece surfar numa tábua de pedra, acompanhado por dois índios. Os Andes terminam aqui, na XIIª Região, a que tomou o seu nome: Região de Magalhães e Antárctica Chilena. Depois de sete mil e quinhentos quilómetros pelo interior da América do Sul, a grande cordilheira mergulha nas águas frias da Antárctica, numa apoteose de torres de pedra e glaciares deslizantes. Esta ponta sul da América está dividida entre o Chile e a Argentina, de terra firme à Ilha Grande de Terra do Fogo, de seu nome completo.

Torres del Paine, Chile

Apesar da aparente “inutilidade” do território, agora que o preço da lã já não sustenta folgadamente grandes fazendas, há algum gás e petróleo em jogo, e os dois países acabam por se desentender com alguma regularidade, a propósito de um lago ou de um glaciar. Como é próprio dos vizinhos. Aliás, os chilenos têm uma predilecção especial pelas “anedotas de argentinos”, sempre na linha da “definição de ego: aquele argentinozito que todos temos dentro de nós”. Sequestrados pelo mau tempo, entre dois passeios fugidios pelas ruas de traçado quadrangular, onde teimávamos em perder-nos, conversávamos com chilenos, de passagem pela cidade ou vizinhos de porta, fechados e despretensiosos, sempre prontos a dar conselhos sobre o seu país. Nenhum deles conhecia Torres del Paine.

 

PUERTO NATALES, A CAMINHO DE TORRES DEL PAINE

Mudámo-nos para Puerto Natales, duzentos e cinquenta quilómetros mais próximos do nosso objectivo. Da viagem, relembro apenas uma imensidão de estepe escondida no nevoeiro, e alguns nandus, as emas da Patagonia, que corriam ao pé da estrada. Quadrangular e colorida, a povoação pareceu-nos uma Punta Arenas em ponto mais pequeno: dezoito mil habitantes, sem contar com os milhares que a visitam todos os anos, com a única intenção de conhecer o Parque Nacional Torres del Paine, cento e oitenta mil hectares de Reserva de Biosfera da UNESCO, desde 1978. Chamam-lhe “Alasca em miniatura” e, diariamente, durante o Verão austral – o nosso Inverno -, autocarros fazem a ligação entre Puerto Natales e os dois postos mais importantes dos guardas-florestais.

Este turismo sazonal transformou a vilória patagonica numa verdadeira indústria de pensões, restaurantes, agências de viagem, lojas de aluguel e venda de material de montanhismo, etc. Durante dois dias recolhemos informações, horários dos transportes, coleccionámos latas e pacotes pelos supermercados. Sabemos que há refúgios no Parque, mas estão demasiado perto da estrada e podem estar superlotados; quando partirmos para o interior, dificilmente estaremos perto de algum, de cada vez que tivermos fome.

Glaciar Grey, Patagónia chilena

Na pensão familiar que escolhemos, caminhantes de regresso confirmavam o que sabíamos sobre o lugar e muito mais, enquanto digeriam grossas postas de salmão, que aqui é mais barato que um pratinho de batatas fritas. Depois das fugazes refeições de campanha, todos tiravam a barriga de misérias. Havia quem se queixasse da dificuldade de alguns trilhos, lamentando os dias de chuva, sem visibilidade, o vento uivante e frio que lhes tinha roubado o sono. Dois alemães deambularam cinco dias no Parque sem ver o sol. Ninguém estava arrependido. À noite, cada um festejou a partida à sua maneira: o grupo de espanhóis apanhou uma bebedeira ruidosa, perturbando o grupo dos americanos, preocupados em ver um vídeo de aluguel com muita acção. Os alemães conversaram baixinho.

Do bom tempo, nem uma promessa. As nuvens continuaram negras, largando chapadas violentas de chuva. Cisnes de colo negro tentavam não enjoar, embalados com força pelas ondas do Seno Ultima Esperança – nome mais que adequado para um local tão desolador, pálido contraste com os Andes do nosso imaginário.

 

PARQUE NACIONAL TORRES DEL PAINE – O PARAÍSO À CHUVA

Finalmente, chegou a nossa vez – e ali estávamos nós a caminho, aparentemente sem sorte nenhuma com o tempo. Chegámos, registámo-nos na entrada do Parque, junto à lagoa Amarga; caminhámos sete quilómetros até um local de campismo debaixo de rajadas de vento, umas molhadas, outras secas. Amuados, mastigámos uma sande e metemo-nos na tenda. Se nos perguntassem de que lado estavam as Torres, não sabíamos responder.

Mas isso foi só até abrirmos o fecho da tenda, na manhã seguinte: as Torres, douradas pelo sol matinal, estavam mesmo na nossa frente. Incongruentes, elevam-se a pique como os dentes partidos de uma serra, ao lado de uma montanha nevada e quase perfeita, que se reflecte num lago. Apercebemo-nos de que, para além da beleza, existe uma espécie de harmonia selvagem, um equilíbrio primário. E é impossível não querer mergulhar neste paraíso primordial, apesar de, no fundo, sentirmos que estarmos a mais.

As aves activavam-se. As estranhas bandurras, com um bico enorme, emitiam sons metálicos enquanto picavam no chão. Ali perto fica o rio que dá nome a tudo, o Paine, desdobrando-se em cascatas ruidosas. Preferimos subir pelo trilho que leva às Torres. Alguns nandus passeavam, e um deles parecia ter feito amizade com o pessoal de um refúgio, que o alimentava regularmente. Têm uns olhos meigos e pestanudos, uns furinhos no lugar das orelhas, e bufam como gatos quando estão furiosos. Famílias de guanacos também aproveitavam a bonança, junto ao rio. As mães amamentavam os mais pequenos, enquanto um ou dois jovens machos pareciam ser os vigias. Estes são os animais que mais evidenciam o êxito do Parque: existem em grande número e já não são muito assustadiços – os pumas também devem estar felizes com isso. Entre os que nunca vimos, mas que também aqui encontraram refúgio, conta-se o tímido veado huemul, em sério risco de extinção.

Guanacos junto à Laguna Amarga, Chile

Atingimos o cimo do primeiro monte e fomos recompensados com a visão de três lagos de cores diferentes, um deles de um verde fantástico. Graças à pureza do ar e à quase completa ausência de poluição, as cores são homogéneas mas densas, ficando as surpresas e os contrastes, os verdes-esmeralda e os azuis-turquesa, reservados para os inúmeros lagos e lagoas provenientes do degelo. Atravessamos bosques sombrios, animados por ruídos de água; desertos de cascalho e areia, com declives fundos, em queda para o rio; pequeninos prados onde repousam troncos antigos, prateados por longos e duros Invernos. Finalmente, atingimos a antiga moreia de um glaciar que já não existe. Subimos com a ajuda das mãos. Trinta minutos mais tarde chegávamos ao sopé das Torres del Paine, na margem de um laguinho rectangular e pardacento. Vistas de perto ainda são mais estranhas, e agora junta-se-lhes a imponência. Não ultrapassam os dois mil e oitocentos metros de altura, mas são a pique, lisas, completamente nuas. Cada pedaço de neve que cai ecoa com estrondo nestas paredes de pedra, antes de resvalar até à água. O céu é de um azul glorioso e as Torres recortam-se, altivas, com o fumo branco de uma nuvem, esticada pelo vento, por detrás.

Metade do dia já tinha passado, mas foi difícil despedir-nos do cenário e das pedras da moreia, aquecidas pelo sol. Algumas tinham um estampado de líquenes escuros, em forma de árvore, que é coisa que não cresce por aqui. Antes do regresso, almoço de menu único: pão com queijo e cenouras, tudo regado com muita água fresca. Descemos antes do sol cair – a subida tinha-nos levado cerca de quatro horas, e o vento estava cada vez mais frio.

Nos dias seguintes, até regressarmos, a cada manhã perscrutávamos o horizonte, à procura da borrasca. Voltámos à entrada do Parque ameaçados por um céu escuro. Já perto da estrada, uma raposa farejava, aparentemente pouco incomodada connosco, ou com a presença activa dos guardas. O autocarro diário levou-nos até mais adiante, para continuarmos a exploração A estrada continua, passando em frente ao maciço do Paine Grande, o ponto mais alto do Parque, com três mil e cinquenta metros. Dos dois lados sucedem-se lagos de vários tamanhos, e centenas de guanacos curiosos espreitam o autocarro. A sua lã espessa protege-os das temperaturas baixas e da humidade permanente. Uma das manadas, disposta em fila sobre uma colina e com o perfil despenteado pelo vento, podia ser o símbolo do Parque: selvagens, de uma elegância bravia, representam a adaptação máxima a um ambiente muito rigoroso. O equilíbrio é visível – só estes bichos podiam ser felizes aqui. Para nós, a natureza é intratável; para eles, é um paraíso.

 

LAGOS DEL TORO, NORDESKJOLD E GREY

Quase no final da estrada fica a Administração Central do Parque, em Río Serrano, junto às margens do lago del Toro. Muito procurado pelas aves, parece apresentar a colecção inteira do Parque: cisnes de colo negro, gansos kaiken e uma variedade colorida de patos de vários tamanhos. Os guardas-florestais informam os visitantes e, durante a época alta, contam mesmo com reforços de colegas de outros países. A pé ou a cavalo, vão verificando se as actividades dos montanhistas que por aqui se aventuram não interferem perigosamente com a vida animal – ou se põem em risco a própria. De vez em quando, acontece que alguém se enterra nos pântanos, ou se despenha de ribanceiras rochosas. E mais do que um refúgio já foi completamente destruído pelo fogo, graças à falta de cuidado de quem lá dormiu. Em caso de dúvida sobre um percurso, também é com eles que contamos: todos os anos há pontes precárias que desabam, caminhos que ficam intransitáveis, rios que transbordam em certas épocas.

Laguna Amarga, Parque Nacional Torres del Paine

Descemos junto ao lago Nordeskjold, admirando as nuvens presas nos Cuernos del Paine, nome demasiado óbvio para uma montanha de excepção. Apesar de ser o terceiro ponto mais alto desta área protegida, com dois mil e seiscentos metros de altura, o que mais impressiona é a sua estrutura maciça e a forma original. O cimo está torneado em duas pontas aguçadas e negras, esculpidas por uma meteorologia agressiva e pela instabilidade da cordilheira, que continua a formar-se desde há cerca de vinte milhões de anos. As águas verdes do Nordeskjold descem em cascata para o lago Pehoé, de um azul irreal que varia com a luz do dia. Atravessamos o lago de barco, para acamparmos no sopé do Paine Grande, perto de um refúgio demasiado cheio. Umas paliçadas baixinhas ofereciam abrigos estratégicos às tendas, contra o vento gelado que, entretanto, se tinha levantado. Durante a noite, a força do vento aumentou e juntaram-se-lhe umas rajadas de chuva, violenta e ensurdecedora. Nada de grave, à parte algumas espias soltas. Aliás, começamos a desconfiar de que a chuva só existe para nos sentirmos mais felizes de cada vez que há sol…

Rumo ao glaciar Grey, debaixo de um céu azul e sol radioso. O caminho começa plano, por um desfiladeiro que vai alargando. Sobe-se depois, para chegar ao lago Grey, que vai espelhar as montanhas durante a manhã inteira. No meio, ficam duas ilhas que mais parecem duas batatas – pelo menos para quem anda com um bocado de fome. A vegetação é rasteira, feita de arbustos e moitas espinhosas, algumas com bagas vermelhas, outras com uma penugem delicada, que o vento vai arrancando. Mais tarde entramos em bosques húmidos, que dezenas de regatos transformam em lamaçais escorregadios. Finalmente, atingimos o refúgio Grey, um dos que já foi destruído pelo fogo. Recentemente reconstruído, está agora entregue à iniciativa privada – e fica tão perto do glaciar que, de cada vez que se desprende um pedaço de gelo, a casa abana. A uns minutos apenas, do cimo de um rochedo negro que serve de miradouro, podemos ver todo o glaciar, uma enorme extensão de gelo quase tão azul como o céu. Encrespada na frente e plana lá ao fundo, parece uma gélida representação dos Andes em volta: de pontas aguçadas, em lâmina, serrilhadas, um agulheiro onde a neve tem dificuldade em prender-se. De vez em quando, com o estrondo de um canhão, um pedaço de gelo desprende-se e afasta-se do glaciar, flutuando como um barco, empurrado pelo vento até a uma das margens. Podíamos ficar horas a apreciar o espectáculo sempre diferente da natureza em movimento: nuvens que ensombram o lago, mudando-lhe a cor, a luz do sol que esmorece, amaciando as arestas das torres de gelo. E ficámos.

Os dias que se seguiram mostraram-nos que a nossa felicidade dependia mesmo do sol. Cada caminhada pelo Parque era a demonstração perfeita de que, ao contrário do que é costume, os bichos nos aceitam, enquanto a natureza parece rejeitar-nos por completo.

Num dia, a chuva, batida por fortes rajadas de vento, encharcou-nos até aos ossos e fez engrossar a torrente de um rio a atravessar, em direcção ao Vale Francês. Ao enfrentarmos uma velha ponte carcomida, segura por arames pouco convincentes, batemos em retirada sem pôr a hipótese de atravessar a vau. Abrigámo-nos no bosque de lengas, mas o vento sacudia os telhados verdes das árvores, puxando nuvens e nevoeiro, de tal modo que quase deixámos de ver o caminho de regresso. Os únicos pontos de cor eram as estilizadas flores vermelhas do notro, e o verde do lago Nordenskjold, que foi ficando cinzento.

Guanacos em Torres del Paine, Chile

De uma outra vez, percorremos mais de um quilómetro com uma manada de guanacos. As fêmeas miravam-nos com olhos meigos, avaliando as nossas intenções. Pastavam, rebolavam-se no chão, coçavam-se com as patas traseiras, como os cães. Um macho mantinha-nos à distância regulamentar, olhando-nos fixamente, com as orelhas para trás e um grande sorriso, provavelmente a afinar a pontaria. Mas nós já estávamos avisados: este é o bicho mais mal-educado da zona. Quando se enerva, sorri enganadoramente e cospe grandes jactos de saliva sobre o adversário – desconcertante e desencorajador, pelo menos para os humanos. Mais adiante, um grupo de sete nandus picava no chão. Distraídos com a novidade, mudámos de rumo, e quase nem nos apercebemos de que agora era a vez do guanaco andar atrás de nós, à espreita.

 

TROVÕES NA DESPEDIDA DO PARQUE TORRES DEL PAINE

Na última noite, despedimo-nos de Torres del Paine com um espectáculo de luz e som sobre o Paine Grande: uma enorme nuvem negra de auréola amarela instalou-se sobre o cume, tornando-o irreconhecível. De vez em quando, um relâmpago atravessava-a e ouvia-se um trovão. Na janela do refúgio caíram umas gotas grossas. De manhã, a montanha estava diferente, com as formas aguçadas dissimuladas sob um enfarinhado de neve.

Esta característica incerteza no que diz respeito à meteorologia, com enormes quedas de chuva e neve durante todo o ano, resulta da combinação da sua localização austral, nos limites do Campo de Gelo do Sul, com a altitude: as montanhas acabam por funcionar como uma barreira contra a chuva que se forma no Oceano Pacífico, e que acaba por cair toda do lado chileno, transformando a Patagonia argentina numa área semidesértica. Acima dos dois mil metros, em vez de chuva há neve e gelo permanentes, criando um habitat demasiado rigoroso para a fixação de pessoas. Compare-se, por exemplo, com o Tibete, onde a altitude média é de três mil e quinhentos metros, ou com a Bolívia, na mesma cordilheira, onde também existem aldeias a esta altitude.

Definitivamente, a harmonia da paisagem não resulta de um clima ameno, compatível com os humanos. E ainda bem: quantos menos estranhos no paraíso, melhor.

Fonte: http://www.almadeviajante.com

2016 © Point da Neve Viagens e Turismo - Grupo S7 - Todos os direitos reservados - Proibida reprodução Desenvolvido por Segundo Andar