Rota dos 7 Lagos: de Villa La Angostura a San Martín de los Andres - Neve - Esportes de neve - Turismo de neve

Rota dos 7 Lagos: de Villa La Angostura a San Martín de los Andres

OS SETE LAGOS ARGENTINOS

Há quem diga que o mais importante em uma viagem não é exatamente o destino, mas o caminho percorrido até ele. Essa máxima vem a propósito quando nos referimos ao trecho da estrada Ruta Nacional 40 conhecido como Rota dos Sete Lagos, na Argentina. O trajeto liga Villa La Angostura a San Martín de los Andes, extendendo-se por 110 km entre magníficos lagos, montanhas e bosques. Além da exuberância natural, a estrada atrai turistas por dar acesso à cidade de San Carlos de Bariloche.

Nahuel Huapi National Park

Nahuel Huapi National Park

Embora a Rota dos Sete Lagos se inicie em Villa La Angostura e termine em San Martín de los Andes, o roteiro que descreveremos aqui parte de San Carlos de Bariloche, um dos mais afamados destinos de neve do continente sul-americano. A cidade, localizada às margens do lago Nahuel Huapi, recebe milhares de turistas brasileiros desde a década de 1970. Cerro Catedral, sua concorrida estação de esqui, fica a 21 km e oferece pistas para todos os níveis de dificuldade. Com mais de 110 mil habitantes, Bariloche está longe de ser apenas um vilarejo: é um tradicional e excelente ponto de partida para quem curte trips de carro. Para os que chegam à cidade de avião, o recomendável é alugar o automóvel no centro e não no aeroporto.

Revista Point da Neve 2017-2018 Esquiando en Patagonia

PÉ NA ESTRADA

O casal Fernanda Todeschini e Rafael Kaufmann prefere se lançar numa aventura de carro a fincar pé em um só lugar. Em maio de 2015, voaram do Rio de Janeiro para Buenos Aires e de lá para San Carlos de Bariloche. O objetivo era fazer a famosa Rota dos Sete Lagos, que percorre os lagos Nahuel Huapi, Correntoso, Espejo Grande, Escondido, Villarino, Falkner e Machónico até chegar a San Martín de los Andes, totalizando 195 km desde Bariloche. A saída desta cidade compreende o trajeto que contorna o Nahuel Huapi, lago de origem glacial, cuja profundidade alcança incríveis 450 metros. Já ali, as ramificações e entradas para os bosques circundantes descortinam para o viajante um cenário cinematográfico.

 

Fernanda Todeschini e Rafael Kaufmann | Arquivo pessoal

Fernanda Todeschini e Rafael Kaufmann | Arquivo pessoal

 

VILLA LA ANGOSTURA

Se Bariloche é agito e aventura, Villa La Angostura é aconchego e tranquilidade. Além da geografia impressionante, o destino brinda o visitante com boas opções gastronômicas e hoteleiras e, claro, esportes de neve. Cerro Bayo é o centro de esqui e snowboard, que oferece pistas para todos os níveis, aulas para iniciantes e aluguel de equipamentos. “É uma cidade muito simpática. Desfrutamos uma tarde com direito a sorvete e café”, conta Fernanda Todeschini. “Para quem está hospedado em Bariloche, vale dar um pulo, mesmo que o objetivo não seja completar o percurso dos lagos. Inclusive, sugiro o local para os que não praticam esportes de neve e desejam curtir um astral mais aconchegante do que Bariloche. Ficamos arrependidos de passar pouco tempo em Villa La Angostura”, lembra.

ENTRE DOIS LAGOS

À saída de Villa La Angostura, trafegando pela rodovia 231, estende-se um dos trechos mais belos do passeio: o encontro dos lagos Correntoso e Nahuel Huapi. Faz-se a travessia entre eles por uma ponte, que presenteia o turista com uma vista deslumbrante. Rodando mais alguns quilômetros, após a bifurcação entre as rodovias 231 e 40, repousam lado a lado os lagos Espejo Grande e Correntoso. A água ganha um aspecto de espelho, pois o lago é alimentado pelo degelo das montanhas e pelos arroios que ali desembocam. Pouco depois de Espejo Grande está Espejo Chico, que é, como o nome sugere, uma versão em miniatura do anterior. Espejo Chico localiza-se em uma área de camping, e vale lembrar que o trecho de 50 km entre os lagos não é asfaltado, embora regular.

Seven Lakes Road

Seven Lakes Road

DESVIANDO DO CAMINHO

No caminho entre Espejo Chico e Correntoso, tudo o que se vê são montanhas. Esse é o percurso predileto dos aficionados por trilhas. “Para quem gosta de fazer trilha, indico pernoitar ali. Além do trekking, vale a pena para curtir a paisagem e desviar da rota”, recomenda Fernanda. Um dos mais tradicionais desvios é o que leva para Villa Traful, distante 25 km da rodovia 40. O vilarejo, situado às margens do lago de mesmo nome, tem cerca de 500 habitantes, e suas casas são charmosas e rústicas. Apesar de pouco populoso, oferece boa estrutura turística, com hotéis, camping e restaurantes especializados em frutos do mar.

TRÊS LAGOS

Passando Villa Traful e voltando à Ruta Nacional 40, três lagos protagonizam a cena. O primeiro faz jus ao nome: Escondido. É pequeno e encoberto por árvores, sendo até possível passar por ele sem avistá-lo. Impossível é não notar o vistoso Villarino, que vem na sequência. Mais alguns minutos na rota e o viajante se depara com o lago Falkner, onde nativos comercializam doces e pães caseiros – um cantinho ótimo para um agradável piquenique. Embora ali o trecho seja asfaltado, não pise fundo no acelerador. “Ao trafegar, avistamos muitos ciclistas, o que nos fez redobrar a atenção. Mas isso não foi problema, pois em um cenário de tamanha beleza não existe razão para alta velocidade”, comenta Rafael Kaufmann. Passando o Falkner, o viajante topa com a Cascada Vullignanco, uma cachoeira com 20 metros de altura.

ENFIM, EM CERRO CHAPELCO!

O final da rota presenteia o viajante com o lago Machónico e, se ainda lhe sobrar gás, vale uma parada no mirador para o último registro. E depois de tanto rodar, enfim, San Martín de los Andes! A chegada à cidade já é um prenúncio do que será o passeio. Para acessar San Martín, é preciso margear o exuberante lago Lácar, seguindo um trajeto que não se apagará tão cedo da sua memória. Chegando lá, o que se encontra é uma cidade delicada e charmosa, cercada por bosques de coníferas, ao pé de Cerro Chapelco – um dos mais belos centros de esqui do continente. E quem conhece, garante: nenhum lugar da América do Sul se parece tanto aos Alpes quanto San Martín de los Andes, seja pelo estilo de suas construções, pelo comércio, pela facilidade de locomoção ou pela afabilidade de seus habitantes. Tudo faz lembrar o Velho Continente. A 21 km do centro está Cerro Chapelco, um dos destinos preferidos dos brasileiros. O complexo de nível internacional oferece excelente infraestrutura, facilidade para o aluguel de equipamentos e, claro, paisagens de tirar o fôlego. No topo da montanha avista-se o vulcão Lanín, símbolo da província de Neuquén. As pistas para todos os níveis de dificuldade, as aulas de esqui e o snowpark com direito a half-pipe e slalom dimensionam a versatilidade dessa fabulosa estação.

Revista Point da Neve 2017-2018 Cerro-Chapelco(divulgacao)

Revista Point da Neve 2017-2018 area_esquiavel

O RETORNO

Os que se apaixonam pelo passeio podem retornar à Ruta Nacional 40 e desbravar outros desvios. Mais uma opção é sair de San Martín de los Andes, subir até Junín de los Andes e pegar a rodovia 234 com destino a Bariloche. A estrada não contempla lagos, mas compensa pela paisagem desértica. A calmaria e o vazio evocam cenários de filmes texanos. “Fomos e voltamos por caminhos diferentes. Ainda que seja uma travessia longa, não sentimos cansaço, porque a paisagem é puro entretenimento”, arremata Fernanda.

VALE A PARADA

1 Alto El Fuego | Sair de Bariloche sem comer um assado hermano é um vacilo tremendo. Um dos lugares mais recomendados é o Alto El Fuego, famoso pelo cordeiro e chorizo. A carta de vinhos não deixa nada a desejar.

2 Konna Microcerveceria | As rotas turísticas mais comuns talvez não incluam este estabelecimento, mas ali a diversão é garantida. A pedida é um pint de cerveja artesanal e o hambúrguer de cordeiro. O clima é descontraído e o preço acessível.

3 Tante Frida | Esta é uma das melhores chocolaterias da região, e sua sorveteria não é menos maravilhosa. O alfajor de helado (alfajor de sorvete) é de comer rezando. Uma deliciosa e necessária reposição de glicose!

4 Restaurant del Puerto | Você vai encontrar este local na saída de Villa La Angostura em direção a San Martín de los Andes. É um check-in necessário à beira do lago Nahuel Huapi. As massas e o cordeiro são famosos.

5 Ñancu-Lahuen | Se você optou por fazer o desvio até Villa Traful, reserve uma refeição no Ñancu-Lahuen, especializado em truta. O salmão com ervas frescas, plantadas no jardim do restaurante, também é uma excelente pedida.

6 El Malamado Resto Bar | Quem se desviou da travessia para conhecer o lago Hermoso vai adorar o El Malamado Resto Bar. Com cardápio especializado em frutos do mar, o ambiente é a grande atração. As mesas distribuídas no deque são um charme.

7 El Mesón de la Patagonia | Pequeno, aconchegante e disputado. Se estiver hospedado em San Martín de los Andes, faça reserva antecipada. O estabelecimento retrata a tradição dos pescados e assados argentinos. Experimente o salmão ao champanhe ou o cordeiro com molho de menta. Divinos!

Esse conteúdo faz parte da revista do Point da Neve – Temporada 2017/2018.

2016 © Point da Neve Viagens e Turismo - Grupo S7 - Todos os direitos reservados - Proibida reprodução Desenvolvido por Segundo Andar