Argentina

Bariloche

Informações gerais de Bariloche

GeografiaHistoriaGastronomia

Quem conhece Bariloche, não esquece…

Acredite, há motivos para isso. O povoado antigo, que começou como terra de imigrantes europeus que trabalhavam com madeira e gado, foi ficando conhecido desde os anos 40 como destino turístico para os ricos e famosos, que buscavam suas paisagens deslumbrantes, as montanhas nevadas, a pesca de trutas, a caça do javalí e do cervo, as caminhadas no meio de bosques milenares… enfim, a região foi ficando conhecida como paradisíaca, e assim atraindo cada vez mais gente.

Os brasileiros descobriram Bariloche nos anos 70, e desde lá a cidade, durante a sua temporada de inverno, recebe uma grande quantidade de turistas de nosso país, que quer conhecer esse lugar tão lindo e famoso – e fazer sua fezinha nos esportes de neve do Cerro Catedral, o centro de ski da cidade, que fica a cerca de 21 km do centro da cidade.

Bariloche, hoje com quase 80.000 habitantes fixos, fica na beira do Lago Nahuel Huapi, um lago de grandes dimensões, que neste trecho a tem característica de formar muitas curvas e recortes, criando efeitos paisagísticos surpreendentes. O centro da cidade oferece um comércio grande e vibrante, com lojas de todo o tipo – roupas, artesanato, louças, couro, alimentos, vinhos, produtos da região, especiarias, chocolates, lavanda… enfim, há todo o tipo de produto para o deleite dos muitos turistas que rodam a cidade diariamente. Há restaurantes de todo o tipo e preços, muitos deles oferecendo cozinha regional (javali/cervo/truta), além de cozinha internacional, parrilla argentina, bistrôs, casas de chá, lanchonetes fast-food, museus, praças, e uma grande quantidade de estabelecimentos hoteleiros: hotéis, hosterias, pousadas, condomínios, edifícios-aparts, a maior parte deles construída dentro de um modelo de arquitetura que busca a inspiração alpina, e que faz o encanto dos visitantes, que se sentem na “velha europa”.

A região oferece uma grande quantidade de roteiros turísticos, com dezenas de passeios e atrações regulares, além dos programas de trekking, mountain-bike, pesca de trutas e canoagem – em outras palavras, há MUITO o que fazer por lá, havendo programas para todo o tipo de idade e disposição de gasto em todas as épocas do ano.

O Cerro Catedral é um dos mais tradicionais centros de ski do mundo, recebendo esquiadores & snowboarders de todo o mundo há décadas – e todos sempre encantados com a vista deslumbrante que se tem desde as pistas – algo famoso e respeitado em todo o “mundo do ski”. A estação oferece um bom número de pistas e meios de elevação, uma base cheia de restaurantes, lojas de equipamentos e roupas de neve, escolas de ski & snowboard, e muitas atrações para os esportistas e turistas que por alí transitam e passam o dia. As confeitarias de montanha são várias e tradicionais, sempre com um clima de muita festa e cheiro de lenha & carne sempre encontrado nesses lugares (amados!).

Localização

Em plena Cordilheira dos Andes, na divisa com o Chile, Bariloche está a cerca de 1.650 km de Buenos Aires, a capital Argentina, e faz sucesso como centro de lazer desde os anos 40 – aliás, sucesso merecido, como você poderá ver bem de perto!

Bariloche está dentro de um parque nacional e suas paisagens são deslumbrantes, sendo conhecida mundialmente por seus roteiros de trekkings pelos bosques, montanhas e lagos da região.

Muito próximas de San Carlos de Bariloche estão as belas cidades de San Martin de Los Andes (onde está o Cerro Chapelco), a aproximadamente 260km e Villa La Angostura (local do Cerro Bayo), a 80km de Bariloche e 120km de San Martin.

Confira a localização de Bariloche no mapa:

Exibir mapa ampliado

CERRO CATEDRAL

Foi um dos primeiros grandes centros de ski da América Latina, e ainda hoje é um dos maiores, tornado – se conhecido mundialmente e levando grande numero de turistas para a pratica do ski ou snowboard,iniciantes e/ou avançados, para a famosa cidade de Bariloche.

Uma ótima notícia para os frequentadores e “marinheiros de primeira viagem” é que no centro de ski Cerro Catedral, que antes tinha o probleminha das imensas filas nos skilifts que diminuíam o tempo para curtir do esporte de neve, superou e resolveu a situação, ampliando os ski lifts para a capacidade de 35.000 passageiros por hora.

Muitos esquiadores e snowboarders consultam a previsão da neve antes de ir para o Cerro Catedral de Bariloche para poderem desfrutar, a 1030 metros de altura sobre o nível do mar, com 1200 hectares de superfície apta para o esqui e outras práticas, 53 pistas e os 39 meios de elevação, com aluguel de equipamentos, tudo o que o Cerro Catedral de Bariloche tem a oferecer com sua famosa infra-estrutura.

HOTELARIA E SERVIÇOS

Bariloche possui uma charmosa e diversificada rede de hospedagem. Existem hotéis no centro da cidade, na beira do lago, (com uma vista incrível) e ao pé da montanha, na base do Cerro Catedral.

A variedade de hospedagem atende desde quem quer gastar pouco, até quem quer se hospedar em luxuosos hotéis. O povo de Bariloche é um povo hospitaleiro e gentil, bem diferente da visão que a maioria de nós brasileiros temos dos nossos hermanos. Depois de escolher sua hospedagem é só aproveitar.

ATRATIVOS CULTURAIS

Conhecer a cultura de Bariloche é um passeio espetacular. Esta cidade se destaca pela fisionomia arquitetônica de seus edifícios em pedra e madeira. Seu Centro Cívico é ressaltado pela construção da Municipalidade e do Museu da Patagônia. Seu progresso científico é refletido no Centro Atômico e sua cultura é plasmada na associação musical Camerata Bariloche. Ainda vale a pena passar pela Catedral de Bariloche, galeria de Arte de Cerro Otto e dar uma volta em um trem a vapor de 1912.

ATRATIVOS NATURAIS

As atividades turísticas se desenvolvem num ambiente natural de excepcional beleza cênica. Vale a pena visitar locais como o Cerro Tronador, a Isla Victoria e o Bosque de Arrayanes. El Bolsón, Puerto Blest ou San Martín de los Andes são trajetos alternativos que permitem conhecer a flora e a fauna, que caracterizam os diferentes ecossistemas que integram o Parque Nacional Nahuel Huapi.

TURISMO DE AVENTURA

Para os interessados em turismo de aventura, há opções de “raffting”, cavalgadas, “parapente” e ciclismo de montanha. A cidade tem um aeroporto que está equipado para receber jatos, e opera vôos domésticos e internacionais para países vizinhos. 

Por rodovia, Bariloche liga-se ao Chile (cerca de 130 km até a fronteira, e mais 115 km até a cidade chilena de Osorno), havendo a opção para turistas de travessia em percursos alternados entre barcos e ônibus, num passeio conhecido como Cruce de Lagos.

fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bariloche

GASTRONOMIA

Fondues, chá das cinco, chocolates mil – tudo que uma típica cidadezinha de montanha tem você encontra de monte. O plus é o legado da cozinha patagônica. Os defumados – de carnes de caça ou salmão e truta – são clássicos. O Família Weiss (Palacios com a V.A. O’Connor, 43-5789) tem a picada (tábua) mais célebre: com carnes de cervo, javali e queijos curtidos em vários temperos.

Dois restaurantes lindos (a iluminação noturna é especial) dividem a preferência quando o assunto é a típica parilla argentina: o El Patacón (Bustillo, km 7, 44-2898) e o Rincón Patagónico (Bustillo, km 14, 46-3063).

Para os jantares românticos, vá aos restaurantes mais finos. O Il Gabbiano (Bustillo, km 24) tem pratos e sobremesas deliciosas de sotaque italiano. O restaurante do hotel Llao Llao, o mais cobiçado da cidade, é o Los Cesares (Bustillo, km 25. Reserva obrigatória).

Os garçons de luvas brancas servem à francesa. No meio de uma montanha nevada, nos domínios do resort Arelauquem, fica o El Refugio (Ruta Provincial, 82, 46-7622. Reserva obrigatória). Para chegar ao jantar à luz de velas lá em cima, usam-se motos de neve. A casa de chá mais elegante é a Rosellana (Bustillo, km 16). Há sete mesas e alguns sofás – você se sente um convidado da casa.

O FAMOSO CHOCOLATE

Quem é viciado em chocolate vai amar Bariloche e suas fantásticas fábricas. Uma ótima opção é fazer visitações guiadas, degustando dos melhores chocolates argentinos. Conheça as primeiras fábricas de chocolates em San Carlos de Bariloche, que produzem deliciosos chocolates de deixar água na boca, com vários sabores: menta, laranja, pimenta… e por ai vai. Só mesmo indo e provando para conhecer estas sensações.

Enquanto mastiga o chocolate, grude-o no céu da boca. Se desgrudar sozinho, ele é bom; se ficar lá, é porque tem muita gordura – é de má qualidade, portanto. Ao menos é isso que se propaga em Bariloche, a terra das chocolaterias. Na acirrada disputa pelo título de melhor da cidade, quem leva mais crédito é a Mamuschka (Mitre, 216). Mas a Abuela Goye (Mitre, 258) corre ao lado. Tudo lá é fofinho como na cozinha da vovó (por isso o nome abuela): a decoração da loja, a apresentação dos chocolates, as canecas do clássico submarino.

Se o negócio é levar muitos saquinhos como presente, parta para a Del Turista (Mitre, 239), quase um hipermercado de chocolates. Tem até praça de alimentação.

 

HISTÓRIA

Segundo o dicionário livre Wikipedia, o nome Bariloche provém da língua mapuche, e significa “povo de trás da montanha”. Isto porque seus primitivos habitantes, os índios mapuches, eram originários do outro lado da Cordilheira dos Andes. A altitude menor dos Andes na região de Bariloche (em alguns casos, inferior aos 1000 m, cobertos de bosques) permitiu aos mapuches migrarem há séculos do sul do Chile para a região da Patagônia Argentina. 

A fundação da cidade deu-se em 1895, quando um imigrante alemão, Karl (Carlos) Wierderhold, criou ali um armazém. Em 1902, tornou-se a cidade de San Carlos de Bariloche. Sua arquitetura, principalmente na área central, lembra a de cidades alemãs e austríacas. Nos anos 20, o local já se caracterizava como um destino turístico. Nos anos 40, era um dos destinos mais famosos do mundo e o melhor da América do Sul, e ainda há hotéis daquela época! O mais famoso é o histórico Llao-Llao. Sem dúvida Bariloche é o lugar pra quem procura passar uma temporada na neve esquiando, curtindo um snowboard ou mesmo passeando pelos diversos locais charmosos dessa linda cidade na Argentina!

GEOGRAFIA

Bariloche está situada numa micro-zona climática e de vegetação de floresta temperada. Seu clima é temperado, influenciado pela proximidade dos Andes, e suas florestas se mantêm graças à abundância de água dos grandes lagos glaciais, como o Nahuel Huapi. No inverno (junho a agosto), as temperaturas caem abaixo de zero e a maior quantidade de neve nas montanhas mais altas dá início à temporada de esqui. Afastando-se poucos quilômetros para leste da cidade, porém, o clima se torna mais seco, surgindo a fria estepe da Patagônia, com sua vegetação de gramíneas cada vez mais esparsas, até que a paisagem se torna a de deserto.

COMÉRCIO LOCAL

Seu comércio voltado para o turismo é principalmente de artigos de lã, couro e chocolates. O comércio em Bariloche tem um grande número de lojas, butiques, artesanatos e galerias de arte.

Como o turismo é uma atividade muito presente há dezenas de anos, já há toda uma tradição de comércio bem estruturado. É muito bom fazer compras em Bariloche! Assim, prepare seu bolso ou um tapa-olho para a patroa, pois é impossível sair de mãos abanando das lojas.

O melhor local para compras é nas lojas do centro, principalmente nas ruas Bartolomeu Mitre e a avenida Bustillo, onde se encontra desde lojas de souvenir de Bariloche á artigos esportivos, ou se preferir algo mais artesanal do povo de Bariloche, poderá encontrar na feira de artesanato que acontece regularmente no centro cívico da cidade. Não se preocupe em colocar seu “portunhol” em dia, pois nos Andes o lugar já é conhecido como “Brasiloche”. As vendedoras das lojas locais falam português!

PASSEIOS

Circuito Chico é o nome dado à estradinha que acompanha as margens do Lago Nahuel Huapi e seus muitos braços e voltas. É um passeio imperdível com paradas em pontos com vistas lindas e no Punto Panorâmico… este é um tour de pura beleza. Não deixe de conhecer algumas das plantações de lavanda que existem em torno de Bariloche, é muito melhor do que você pode imaginar… inebriante!

Ruta Del Siete Lagos (A Rota dos Sete Lagos) é uma das estradas que ligam Bariloche á San Martin de los Andes (Chapelco). Esta é mais longa e cheia de curvas, e um passeio nela é… inesquecível. Paisagens realmente deslumbrantes, estrada ótima, pouquíssimo trânsito. Se puder, não deixe de ir!!!

Além de tudo isso, em Bariloche você ainda poderá patinar no gelo, andar a cavalo e fazer os passeios pelo lago Nahuel Huapi. As belezas naturais da cidade vão além das montanhas onde se podem praticar esqui e “snowboard” (Cerro Catedral).

Destacam-se o Parque Nacional Nahuel Huapi, a travessia dos lagos andinos até o Chile, a Isla Victoria (no lago Nahuel Huapi), a região de El Bolsón (ao sul da cidade) e a Colônia Suiza (em meio a bosques, na qual se situa um museu que conta a imigração suíça para a região).

A NOITE

Parece Campos do Jordão (SP-Brasil): a cada temporada abrem novos bares e as modas mudam. Os flyers distribuídos na rua Mitre dão as pistas – e tentam seduzir os adolescentes que perambulam de bar em bar. Alguns clássicos, porém, jamais saem de moda. Um deles é o pub Wilkenny (San Martín, 435). Vive cheio de argentinos e brasileiros que se esquentam antes de ir para as danceterias – as maiores ficam na avenida Rosas. Os europeus preferem o clima cool do Pilgrim (Palacios, 167). A tríade vinhos, charutos e gastronomia inventiva é a aposta do elegantinho Quve (San Martín, 570). E a cervejaria artesanal Berlina (Bustillo, km 11), recebe os moderninhos – mas fica fora do centro.

Dicas dos turistas

O GOULASH DO LYNCH…

Você tem que comer o goulash do Lynch ! Antes de qualquer interpretação maliciosa, explicamos: goulash é aquele prato húngaro com páprika, e o Lynch a que nos referimos é a confeitaria situada neste ponto de beleza suprema, no lugar mais alto do Cerro Catedral.Vai lá e confere.

INTERMÉDIA

Intermédia… esta pista é uma verdadeira mania entre os esquiadores de Bariloche. É uma vermelhona, daquelas que fica preta de vez em quando… longa, exigente, e muuuito boa de esquiar, é um bom teste para saber como você anda: a cadeirinha passa bem em cima, todo mundo olha e costuma dar nota…

É importante praticar bastante antes de se aventurar nestas pistas, mas depois e só curtir!!!

O PANCHO DOS ROSSENGER

Na entrada do Cerro Catedral tem um pequeno quiosque de madeira, lá está há muitos e muitos anos, capitaneado pela Sra.Rossenger – mãe, avó, esposa, filha, neta de esquiadores… o cachorro quente, o consomé e o apfelstrüdel são uma lenda! E o pessoal que atende… esquia MUITO, irmão!

A VILA DO CERRO CATEDRAL

As pistas prendem tanto a atenção de todos que quase não sobra tempo para fazer uma coisa muito, muito legal : um passeio, a pé, pela vila do Cerro Catedral. Ande pelas ruas que cortam os morros, é uma experiência inesquecível. Leve sua câmera!!

CHOCOLATE

Mesmo que você não goste de chocolate: experimente entrar numa das muitas fábricas de Bariloche, e olhe, de cima, os enormes (estamos dizendo: enormes!) tonéis de chocolate borbulhante… crazy, man! Você provavelmente irá querer experimentar um,dois,três…… depois disto amigo(a) já será tarde e verá que os chocolates artesanais patagônios são maravilhosos.

Fábricas:

  • Fenoglio Museu de Chocolate e Fábrica: Av.Bustillo Km 1,200.
  • Há outras lojas que comercializam chocolates, como a Mamuschka (preferência geral), que se localiza na rua Mitre, 298.

WEISS

Família Weiss e coisas defumadas são sinônimo na região de Bariloche. O restaurante no centro da cidade, e o sítio no Circuito Chico são, ambos, imperdíveis.

Truta, cervo, javali, queijos (nham, nham), geléias… prepare-se para milhares de calorias a caminho.

TERMOS USADOS EM SKI E SNOWBOARD

Après-ski é a expressão francesa, conhecida por esquiadores do mundo todo, que designa todas as atividades realizadas após a jornada de esqui até a hora do jantar.

Bumps são ondulações nas pistas de esqui. Podem ser notados com freqüência nas pistas mais inclinadas, onde as marcas deixadas pelos esquiadores são mais fortes. Em alguns lugares, os bumps são deixados propositalmente nas pistas.

Lift / Ski-lift são os teleféricos que levam os esquiadores e snowboarders até o alto da montanha.

T-bar / Poma são os meios de elevação onde os esquiadores e snowboarders são puxados para o topo da pista, com os esquis e boards deslizando no chão.

Gondolas são os teleféricos fechados.

Chairlift são os teleféricos abertos, normalmente com capacidade de 2 a 6 pessoas.

Trails são as pistas ou caminhos catalogados e especialmente cuidados para a prática de esqui/snowboard. Nos mapas são publicados seus níveis de dificuldade que são identificados pelas cores. Nos Estados Unidos e Canadá as pistas são identificadas como Pretas/Black – Avançadas e Experientes; Azuis/Blue – Intermediárias e Verdes/Green – Iniciantes.

Ski in / ski out é o tipo de hotel ou outra acomodação em que se pode chegar e sair esquiando, e que fica mais próximo das pistas. Ski pass – Passe de acesso aos elevadores e pistas de uma estação de esqui.

Snow Update são os boletins que informam as previsões e condições da neve e tempo na estação de esqui.

Snowmobile moto especial para a neve.

MANOBRAS DE SNOWBOARD

Ollie É a manobra mais básica, fundamental para executar a maioria das outras manobras.

Air to Fakie Consiste em dar um giro de 180 graus no ar e depois seguir de switch (base trocada).

Wheelie Aprenda a manter o equilíbrio em apenas uma das extremidades da prancha (nose ou tail).

Butter Giros de 360 graus na neve.

50/50 A maneira mais fácil andar em um rail ou box.

Rock-n-Roll É quando você anda na perpendicular do rail ou box.

ISLA VICTORIA

Indo conhecer a Isla Victoria, você lembrará do famoso desenho da Walt Disney no qual o personagem Bambi passeia por lindos bosques com arvores coloridas, tais paisagens que serviram de expiração para criar o cenário do filme, graças a linda Isla Victoria em Bariloche. Mas não se engane você provavelmente não verá o “Bambi” apenas as lindas arvores coloridas, chamadas “Arrallones”.

ROSA MOSQUETA

Rosa Mosqueta é uma florzinha que é um tipo de praga em Bariloche, tal motivo fez desta flor de Bariloche ser transformada em diversos produtos como: chás, óleos, cremes, desodoranten, entre outros. Um óleo é muito usado para aliviar queimaduras do sol, depois de um dia de sol eskiando na montanha é essencial ter um destes.

Uma das plantas ornamentais mais conhecidas no mundo, a Rosa Mosqueta surgiu no Oriente, tendo como porta de entrada para o mundo ocidental, a Grécia. Na Antigüidade, a raiz da Rosa Mosqueta era usada para eliminar cálculos renais. Já os romanos empregavam a flor da planta para acabar com a embriaguez e na preparação de perfumes. Estudos durante a Segunda Guerra Mundial comprovaram que essa planta é uma grande fonte de vitamina C. O óleo de Rosa Mosqueta é utilizado na cosmética prevenindo o envelhecimento precoce e estimulando a restauração celular, sardas e estrias, alterações da pele causadas pela radioterapia, assaduras de bebê, em cicatrizes hipercrônicas, hipertróficas e retráteis e queimaduras.

Onde comprar:

  • Rosa MosquetaBariloche Silvestre. Produtos com rosa mosqueta
    Mitre 339 – Local 15 – Bariloche
    Tel. (02944) 420021
  • Cascarilla de Rosa MosquetaProdutos com Rosa Mosqueta
    Av. Bustillo Km. 19,500 (Caminho lla llao) – Bariloche
    Telefone: (02944) 448934

CERRO CAMPANARIO

Este passeio é um dos mais recompensadores de Bariloche, pois quando você esta quase no topo do cerro, consegue ver uma das dez paisagems mais bonitas do mundo, segundo uma pesquisa feita pela revista National Geográfic, tal pesquisa que ja foi citada em revistas como a: Proxima Viagem, na edição de julho de 2006. Então não dixe de conhecer esta deslumbrante visão da maravilhosa de Bariloche.

Voltar para o topo

Os comentários estão encerrados.